Buenovel

Baixe o livro no aplicativo

Download
Capítulo 2

Leon Sangred

Passei aquela noite no hospital com o Miguel, toda vez que me ligam ou me mandam mensagens falando que ele não está bem eu fico com tanto medo de perde-lo que não quero ficar tão perto, eu sempre estou aqui com ele, e não sei como seria minha vida sem ele, sem olhar para este rostinho e isto me faz lembrar aquela moça e me doí só de imaginar perder uma pessoa que amo.

- Titio?  - O Miguel me chama com uma vozinha roca abrindo os olhos.

- Oi campeão eu estou aqui - falei segurando sua mão.

- Titio eu sonhei com o senhor e eu brincando em um jardim bem bonito, o senhor vai me levar para brincar em um parque bem bonito quando eu melhorar? - ele pergunta com um pequeno sorriso não tem como dizer não para aquela carinha.

-Sim campeão eu vou fazer tudo o que puder por você - falei e ele fecha os olhos por causa dos remédios e fico com ele zelando o seu sono.

O Miguel é um menino muito especial, ele só tem cinco anos, e já passou por tanta coisa na vida, ele é um verdadeiro guerreiro e não vou medir esforços para tirar ele desta situação, estou sentado quando vejo o Daniel entrar no quarto.

- Como vai o nosso Campeão? - ele pergunta se sentando na mesinha que tem no quarto dele com certeza está muito cansado.

- Ele está bem por enquanto, mas você sabe sem um transplante a chances são mínimas e não vou mentir estou com medo de perde-lo - desabafei com ele, o Dan e eu somos amigos desde muito pequenos estudamos nas mesmas escolas, e na mesma universidade ele é o irmão que nunca tive dividimos tudo brinquedos, jogos ele sempre foi muito protetor com as minhas irmãs era como se fossem irmãs dele.

- Não fica assim Leon você sabe que estamos fazendo de tudo por ele, eu acredito que ele vai ficar bom e você também deveria acreditar, mudando de assunto Leon quem era aquela garota? - ele me perguntou com um sorriso safado, antes que eu pode-se responder vejo o relógio na parede e me espanto com o horário.

-Dan me diga que aquele relógio está errado por favor? -  ele olhou para o relógio segurando a risada.

- Se você quiser posso dizer está errado, mas o meu também está dando dez para as nove, então caro amigo você está ferrado - ele falou rindo.

-Tenho que sair correndo - falei me ajeitando e procurando o meu celular desligado.

-Agora sim que o fogo no parquinho vai te queimar - o Daniel falou gargalhando.

-Tchau Daniel e para de dar audiência para estes sites de fofoca - falei e fui até o carro, tenho uma reunião em 20 minutos uns possíveis compradores da Escócia não posso me atrasar, para minha sorte o trânsito estava fluindo bem e em 10 minutos havia chegado no imponente prédio Love wines, 

e c não demorei muito para perceber que as pessoas estão falando sobre mim o fato de eu estar todo amassado e com as roupas do dia anterior não me ajudou, mas não ia dar tempo de passar em casa então entro na minha sala sem nem falar com a minha secretária vou direto tomar um banho para ir para a reunião, assim que saio dou de cara com meu pai sentado na minha cadeira, ele está com seu terno, e para falar a verdade eu nunca vi o meu pai sem terno, sua expressão era séria, respirei fundo antes de me aproximar, as conversas com meu pai nunca foram fáceis ele sempre quis que eu fosse igual a ele, mas não consigo ser, meu pai sempre se cobrou muito para ser um grande líder, por isso ele sempre foi duro porque filho homem não pode ser tratado com moleque para não virar homossexual, e está com certeza é o maior medo dele mesmo dizendo várias vezes que eu gosto de mulher ele tem medo de ser só uma fachada.

-Eu disse que não aceitaria desculpas León - meu pai fala alto ficando de pé e pedindo para me aproximar.

-Pai eu tive um imprevisto...- pensa bem, pensa bem Leon, você não pode falar do Miguel, não agora qual será a melhor desculpa.

-Eu sei , assim como todos do país sabem o motivo, presta bem atenção se você não melhorar esta imagem eu vou te deserdar, mas o assunto é bem simples ou você se casa em três meses ou se considere deserdado, pode ficar ao seu critério já que esta moça é tão importante para você ao ponto de me desobedecer espero que seja boa para casar também - já estava a pronto para perguntar quem era essa moça, quando ele me joga o jornal com a foto minha e da moça do hospital na capa e a manchete não me ajuda. "Grávida! Será que o milionário Leon sangred vai ser papai? 

Quem será a nova queridinha do bilionário?"

- Então vai ficar aí calado, espero que você obedeça, para mim você já sabe a Bela é a melhor opção ela é a esposa ideal para você meu filho, é uma jovem de boa família, e vocês até já namoraram não seria tão ruim assim - meu pai está sempre querendo me jogar para os braços da Bela Peralta ela é filha de um dos grandes amigos do meu pai, mas não gosto dela nunca gostei ela é muito bonita, mas é tão superficial e não vou me casar com ela mesmo o pai dela já tendo prometido a sua mão para mim. - Então quem é essa moça? e o que vocês estão fazendo no hospital é melhor você ser sincero porque senão eu vou resolver tudo entre você e a Bela...

- Ela não está grávida, eu até preferia - pensei em voz alta, e meu pai suavizou o olha, mas logo mudou para um de supressa e respirei fundo antes de continuar. - O pai dela não resistiu a uma cirurgia e veio a falecer - falei lembrando aqueles olhos tristes e me deixaram tristes junto com meu cansaço eu não parecia estar bem e realmente não estou, vi a cara do meu pai eu não sei descrever direito o que se passava nela.

-  Você tem três meses para se casar, se não assume este caso aí até sexta, você vai ter que se casar com a Bela e nem tente me desafiar, eu já cansei da imagem que você está passando esta é a sua última chance, ou você casar ou pede tudo - ele fala e sai do escritório me deixando sozinho e o eco da sua fala na minha cabeça respirei fundo eu tinha que ir para a reunião e para ser sincero não consigo prestar atenção em nada, eu não tinha outra escolha a moça do hospital era minha única salvação, mas não sei nem o seu nome e duvido que ela teria qualquer coisa com cara que ela só viu uma vez se notar estava pensando naquele olhar dela como toda certeza não é do tipo de garota de uma noite, entro na minha casa e dou de cara com Daniel jogado no sofá, ele é sempre assim muito folgado.

-Olha aí gente o pai do ano - ele fala rindo revira os olhos. -Eu tentei falar com você sobre as fofocas, mas você não me atendeu - ele falou se sentando.

-Esqueci meu celular desligado - peguei o celular do bolso, liguei e vejo que está descarregado coloca ele para carregar e vejo Dan rindo da minha cara.

-Sério cara com esse celular nem parece que você tem o dinheiro que tem viu - ele falou rindo e nem ligo, meu celular quebrou não estava muito afim de sair para comprar outro eu tive um dia muito agitado ontem então peguei o que eu tinha guardado eu tenho que resolver umas coisas e fora que toda minha vida está nele.

-Você nem acredita meu pai hoje estava lá no escritório e adivinha qual é a nova dele, veio me dá um ultimato ou eu caso em três meses ou ele vai me deserdar e me tomar a empresa.

-Tá ruim - o Dan falou se ajeitando no sofá, eu revirei os olhos me sentando na frente dele.

-Se eu não anunciar nenhum relacionamento até sexta-feira eu vou ter que me casar com uma Bela Peralta.

- Com uma bela peralta você não suporta ela, você pode me achar um louco, mas porque você não inventa um relacionamento falso, tipo você procuraria a mulher que aceitar-se entrar em um relacionamento falso com você, durante um ano seria tempo suficiente para o seu pai largar do seu pé você se casariam ficariam juntos por um tempo e depois se  separaram, ela ia ganhar muito com isso e você também além de ficar livre por um bom tempo afinal você não tem culpa de casamento não dá certo - está prestando muita atenção aquela ideia não me parecia tão louca assim seria uma ótima escolha casamento falso acho que não seria tão ruim assim só que me vem outra questão meu pai acha que eu estou apaixonado pela moça do hospital se eu falar com qualquer outra eu acho que jamais aceitaria.

- Realmente você é louco, mas não é tão ruim assim só que tem um probleminha depois de ontem à noite meu pai só aceitaria uma mulher que não seja bela peralta - vi um sorriso se formando no nos lábios do meu amigo.

- A nova queridinha?

- Ela mesma, eu nem sei o nome dela e muito menos se ela vai aceitar uma proposta desta.

- Ainda bem que sou seu amigo né, o nome dela é Luiza Ramos, não poderia, te falar, mas acho que ela está precisando de dinheiro ela ficou devendo ao hospital, pode estar precisando de um trabalho sei lá - essa notícia me deixou um pouco feliz não porque ela está sem dinheiro, mas por que poderia ser que ela aceitasse

-Então precisamos encontra-la, tem como você procurar o endereço dela lá nas fichas médicas - eu penso ele rever os olhos eu sei que ele não pode fazer isso, mas não custa tentar né e como eu esperava não foi. Não achei que seria tão difícil encontra-la, passamos o resto da tarde pesquisando em redes sociais por uma Luiza mas não obtivemos sucesso assim para nossa infelicidade existem milhares de Luiza Ramos nenhuma delas era a que a gente estava procurando como pode não ter redes sociais ou será que era que ela usava outro, eu não sei bem ao certo em qual momento mas eu estava tão cansado com essa busca sem fim, eu acabei dormindo em cima do notebook que estava na mesinha de centro da sala não sei quanto tempo passei assim só acordei porque ouvi uma voz de longe

-Acorda Bela adormecida seu fado padrinho chegou - me ajeito no sofá estava com a visão embasada, quando vejo meu amigo fazendo uma dancinha que dá vontade de ir ele era uma figura. - O que foi Dan?

 

-Encontrei a sua queridinha - ele falou com meu celular me mostrando uma foto dela.

-Nossa é ela mesmo, por que você colocou a foto dela como minha tela de proteção? -estava confuso

-Não coloquei, uma garota chamada Gabriela mandou uma mensagem com o endereço onde elas devem estar amanhã em um grupo de mensagens -

sorri não sei como aconteceu estra trocar no celular, mas foi muito bom isso acontecer e que olhando aquela foto e sorri ela era realmente muito bonita.

Próximo Capítulo