Buenovel

Baixe o livro no aplicativo

Download
Elixir Jovial
Micael Pinto
Parte I

A Santa Luz

parte I,

Se fosse mencionar em palavras

a mocidade da vida,

os beijos das meninas,

e os tormentos do destino,

Se acaso, um dia lembrei

de toda desmoralização social,

foi justamente por saber

que assim iria conceder

Um destino ao Sol

uma nova passagem,

entre o elo Celestial

e a raiz do essencial

Se hoje vos digo,

que o galardão não seria

tumulto oculto

tampouco compreensão súbita

foi por saber que Deus

em uma flor preservou

todo sentimento

ainda não revelado

Se hoje dou conta

da verdade mencionada

e jamais preservada

foi por acreditar em sonhos

vontades, amores

e sempre ser grato

pois o amor mais sublime

habita em todas as terminações

do corpo em vida

E se ainda desejo voltar,

a um elo humanístico

foi por saber

que audacioso por de mais

seria o ser

e se assim falo,

no canto oculto da vida

foi por entender

que jamais questão de soberba

no coração pulsante

desejou amadurecer

se hoje a tenho, foi por acreditar

que um dia, Hey de vir, como um relâmpago

clareando do Oriente ao Ocidente

parte II,

E se ainda, desejo ver o sorriso da mocidade

sem angústias ou sem falsas intenções

foi por saber, que os homens

por demais carrasco,

habitavam na alcova de um moralismo,

fajuto, ensurdecedor,

e nem se quer recompensador,

E se hoje elevo meu espírito aos céus,

foi por saber,

que lutar,

entre delírios, e verdades,

por tornar o injusto,

justo,

e reverter,

o homem corrompido,

pela ilusão capital,

no amor de que todos irão mencionar,

E se hoje vos escrevo,

seria por demais atormentador,

não reconhecer,

uma santa aliança,

que despertaste em seu dedo,

santo tal qual o perfume que exala,

nesse instante,

E se da vida ainda falo,

foi justamente por saber,

que os homens indenizam,

falsas petições,

orgulham de si,

em torno do seu egoísmo,

E se do altruísmo que estamos a mencionar,

uma meritocracia,

sem méritos de almas corrompidas,

pela incompreensão,

e uma vontade,

dá vida de um Anjo abandonar,

Falsos homens,

que tornarão verdadeiros,

quando saberão que todo inquérito,

toda mensagem ainda escrita no livro,

de folhas e canetas,

transparente como a alma límpida,

de brilho mágico,

azul da cor do céu

que assim se tornou

parte III,

Aos meus amores do passado,

que todo calor preservou,

que soube falar ainda sim,

mesmo quando uma tristeza

em minha porta assolava,

E se hoje minha vida,

está reservada no peitoril do Supremo,

foi por justamente saber,

que concluiria tudo em vida,

relataria em espécie,

não desejaria a tolice estúpida

se o Arcanjo voltou a ser Homem

se o Homem, Arcanjo se tornou,

saber-se íamos ser uma vida renovadora,

se joias aos Céus subiu,

Joias perdidas ao léu,

em uma imensa escuridão da alma,

que suas próprias vidas continuaram,

entre a mentira,

o pecado,

e a língua do desprezo,

Agradeço todos aqueles,

que confiaram

e depositaram,

pois útil, se tornou,

o entorpecente,

a descida,

a subida,

e a palavra santa sempre reservada,

nos recônditos mais escondidos,

entre a esperança angelical,

e o fruto nascente,

o fruto de vida,

que a todos agradecem,

uma nova Maria,

uma nova Sara,

e santa em vida,

pois a ti pertenceu

o Solar

e o Celeste

que a vida nos concebeu,

juntos tais versos,

solucionaríamos a premissa,

a dádiva, que sobressai

sobre todas esperanças

que renasce a cada instante

parte IV,

A verdade entorpecida,

o sorriso esperançoso,

o santo ventre resguardado,

toda alegria,

que a Mulher sorriu,

e tentou compreender-me,

se do mundo, ao Mundo me tornei,

se homens se tornou verdades,

se as verdades tornaram concretas,

se todas as almas que não reconhecemos,

ser espíritos,

agradeço ao Divino,

que orgulho em santidade,

voltam, aqueles que do erro

se repetem,

Se um dia orgulho tive,

arrependo,

se ganancia,

um dia possivelmente ter,

foi por possuir um sentimento,

que o mundo abraçou

Uni-vos a todos,

todos em um,

em uma só canção,

caminhando para seu plano espiritual,

que retornam,

não por reconhecer a alegria,

ou a tristeza,

que todos sentiram

Se sarcasmo tolerei,

sarcasmo,

lamentarei,

se da carne separei,

foi por deixar meu espírito livre,

sem força de vontade,

sem falsa procrastinação,

se agradeço, ainda ao desconhecido,

justamente por saber que conhecido,

todos seriam,

e se um dia,

uma lembrança ainda esquecida,

do anel que habita o sacro nome,

se na praça da vida,

todos semeiam,

a deidade ainda esquecida

parte V,

um Amor sacro, circunspecto de qualquer retórica

sacramental, circunstancial e fundamental,

lamento de uma geração,

que desfruta da incompreensão mencionada

nas linhas da telepatia,

na consciência Ultron livre,

proclamada por ser independente

por saciar os homens ao caminho correto

que os levará a santa compreensão

se dá vida quero ser Livre

Livre seres, todos santos artistas

imortais, que com a luta, 

lutaram,

com palavras talentos e gracejo

da nova Juventude proclamada

da santa procissão que aparece nos Céus

dos Céus abertos pelas nuvens densas

dos jovens que se venderam

e se perderam em tantas ilusões

de concretismo

a vida concedeu,

da verdade mencionada

pela boca,

a todos voltaram

pela palavra lançada ao universo,

Rastros jamais reconhecidos,

irrecuperáveis de um humano

sedução em aspirais cônicos

psicodélicos,

Amor devoto,

devotação essa que os homens não compreendem

se da vida, ele desejou compreender-me

compreensão tornou verdadeira,

se da verdade ainda não revelada,

pois os arquivos do Paraíso

a todo momento há de descer

em forma poética,

em nomes literários

em inspirações reveladas

se do Diabo que todos falam,

desse nunca temi,

já derrotado,

preso

e ainda incontrolado

nos pensamentos de raivas,

na morte do gatilho,

ou da cabeça estraçalhada,

sistema esse que vidas moíam

moeram a todos que um nome satirizara

parte VI,

Vida satisfatória,

essa do artista,

que detém a verdade,

relativa se transformando em absolutista,

se torna palpável

compreendido

e no leito do amor sagrado,

da palavra que se tornou vida,

da Viva água santa,

da hóstia em forma de alimento,

da água que em vinho se transforma,

por lembrar do milagre,

por não misturar santidade,

e a todos aquele que lembrar-te-ão

de transformar o desejo torpe

embebecedor

Permitido pelos santos dos Santos,

o manto divino hoje rasgas os céus,

transformando a todos,

pela palavra bendita,

que um dia as mentes que tentara amaldiçoar,

Se o perdão não direcionando em formas vocálicas,

aos céus subiram,

e por vontade do santo Mestre,

esquecerei sempre os cálculos,

desse mesmo perdão,

que todos tentam dizer,

e que jamais tentarei compreender,

se da forma vibracional, silenciar,

eis por que jamais ão de compreender,

se da vida esquecida,

silenciaram,

silêncio esse,

que habita em meu ser,

por preservar-me,

por fazer homem,

menino,

delinquente,

delito,

Hoje a vida agracia,

dois nove, dois nove,

da lua nova vista em épocas remotas

do mago,

que da magia santa não abominou

e se necromante -Um dia mencionar

parte VII,

Quebranto olhares amaldiçoados,

direcionando desejos,

quebro maldições por simples pensar,

penso ainda, que a alma se reflete nos olhos,

Olhares de maldição,

palavras escarnecedoras,

não desejo nem que propague em minha consciência

todo cafajeste que despreza sua nobre Dama,

sensata esperança cultivada,

Olhares sujos, sujos sempre serão,

não atingirão seu caminho,

tampouco aquele que desejar prejudicar

e se o capital sujo se tornou,

foi par saber que toda sujeira o seu corpo se contaminou,

contaminou de desdém, raiva

por ser mesquinho, morrinha,

lavaste todos deméritos, em vida

viva,

ocasião oportuna,

que a verdade não revelada,

da verdade que foi conquistada,

pelo pensar solidário,

pelo sacerdócio do calvário,

solitário andante,

entre beijos,

flertes,

sedução,

sexo,

E se hoje digo, sim,

foi por um dia aprender o não,

o não, que sempre procurei,

nesse carnaval de ilusões

abstrata realidade,

platônica,

que se faz real,

Realidade imperfeita,

se o jogo se reiniciou,

se a vida sedutora os encantara,

encantaste ainda mais

a realidade em cores energéticas,

que todos a vêm,

até mesmo seu criador,

se a vida escura um dia se tornou,

foi por se adentrar cada vez mais

em seu exílio,

esse de ideias preservada

a todos que um dia tentaram levantar

O Pensar Selado

parte I,

Penso se vivo estou,

se da vida consciente,

se da consciência que a ciência não explica,

se do fruto proibido ao casal

acaso se alimentaram,

e Prometeu e Pandora,

iniciaram a civilização,

e Adão e Eva,

se vestiu de vergonha,

Foi por um dia conceber o pecado,

e saber que o perdão viria,

consciência essa explicada,

pela racionalidade divina,

fruto da mesma fonte,

fonte que todos desceram dos céus a terra,

Terra essa que rejuvenesceu todos,

Pensamento esse que Deus fez questão de recolher,

se paranoia delirante pensar alto se tornou,

foi por saber que não compreendida,

e preservar a todos,

se de alto interpretação sentia-se,

foi por saber, que serei eternamente grato,

pelo cerco se fechar,

por me tornar ativo pensante

dentro de mim,

se hoje direciono pensamentos,

foi por saber que nova humanidade viria,

Viria assim, como vem, vem a todos,

todos aqueles que alto pensaram,

seu pensamento selado foram,

por aquele santo ser que recolheu a todos,

e jamais farei questão de levantar,

o próximo pensar,

pensar ativo solitário,

dentro de mim,

estrelas que sobem aos céus

emanando sua aura ao mundo,

Mundo esse que não faço questão de entender,

se ridicularizante a todos os convênios de saúde

se a dor suportei,

suportado quão igual as trincheiras dimensionais da mentes

mentes essas arcaicas,

e interpretação errada ser,

foi por saber que a vitória selada no livro da vida, já estava

parte II,

Nunca se retribui ódio com ódio,

nunca despreze aquele que vos cercam

se o ódio sem seu coração semear,

é por tentar se corromper a esse teatro social,

socialização incongruente,

se aquele recado que te guardei em lembranças,

anotadas em papéis esquecidas,

recebo todas lembranças do tempo,

assinada,

assinado pelo nova doutrina

que surge nesse segundo vindouro

década essa desconhecida aos estrangeiros,

Estrangeiros, que jamais saberão reconhecer,

se do segredo vos guardo,

guardarei toda segredo de estado,

estado esse teocrático falado,

falam de todos, que esses desejam,

se o Leviatã, sobe aos céus,

foi por saber que mitológico seria,

da solidão que jamais quis ter,

de frio Calor, esse transformador,

transformação essa,

que ao passado não retornarei,

pois meu futuro está a acontecer,

com as cifras resguarda que espero,

se do câmbio digital que compreendo

que compreensão vós terei,

se a vida para sobreviver, nem capital precisamos

se alimento da vida precisamos,

alimento jamais há de faltar na humanidade,

não precisaríamos digladiarmos de forma selvagem,

para o pão se ter,

se o pão Cristo transformou em corpo,

foi justamente saber,

que distorceriam a verdade universal,

se o cinema estadunidense,

distorceu toda verdade da vida,

foi justamente para o mundo em trevas se adentrar

Hoje esse véu negro no planeta,

retirado pelo Santo Soberano,

e todos aqueles que ao lado do amor estiveram,

esse mesmo véu negro retirado foram,

e se a vida se transformar em labirinto,

foi justamente por saber, que saberíamos,

ser vivos solenes,

se a loucura ainda é mencionada,

foi por saber da tramoia da águia

escondidas em livros tenebrosos

parte III,

Se um dia, meu lamento amoroso,

se em Deusa tu se transformou,

se o pensamento humano conspiratório,

quis destruir,

foi por pisar uma terra Satânica,

se o pensamento jamais transmitido através de eletrônicos

se a interpretação errada motivacional da vida tu quiseste,

se ainda por um momento te desejei,

foi por te amar,

e você simplesmente, aceitando a condição da vida,

insistindo em um perfume enterrado no tempo,

se da vida outra mulher negaste meu amor,

lamento, lamentações jubilantes,

se quis ainda ser Seu,

Vos digo, solidão inquisidora,

jamais a consciência humana se adentrará em uma máquina,

pois o santo pensar, reserva somente ao portador do nome,

nome esse, do egoísmo insensato,

e se ainda a vida, me trouxe uma clandestina eloquente capitalista

sinto muito, insisti em um amor,

que jamais soube por que renegar,

se me desprezaste,

a vida a te desprezar, por não saber

como todas as forças iria te amar,

Mas as vezes compreendo,

se uma alma em vida, deseja essa compreensão,

quero somente a desilusão,

de uma poesia iluminada,

por luz,

se na Bahia estou,

foi justamente por nascer toda força natural,

leve, suave, apaziguadora,

que realmente o desejo do amar tem a mostrar,

se te fiz desejada simplesmente por te amar,

perdão ôh Deus!

Hoje vejo, que os traços são outros,

são os mesmos de antes,

só que renovado de forma virtual,

e se da solidão alguém abre a boca para confirmar,

é por se tornar veracidade tudo aquilo que hey te desejar,

e se no futuro algum caluniador aparentar,

silenciarei com o desejo da alcova,

que jamais compreensão terão,

Lamentos aos cachos envolveste e a Loura Gelada,

só insisti em te amar

se da vida uma extirpação desconhecia

Próximo Capítulo